Post em Destaque

terça-feira, 28 de março de 2023

Porque não expor crianças e bebês a telas

O uso de telas, como tablets, smartphones, televisores e computadores, tem se tornado cada vez mais comum em nosso dia a dia. No entanto, quando se trata de crianças pequenas, é importante que os pais e cuidadores estejam cientes dos possíveis efeitos negativos que a exposição excessiva às telas pode ter em seu desenvolvimento.

De acordo com a Academia Americana de Pediatria, crianças menores de 18 meses não devem ser expostas a telas, enquanto as crianças de 18 a 24 meses podem assistir a programas de alta qualidade, com supervisão e interação dos pais ou cuidadores. Para crianças com mais de 2 anos, é recomendado que o tempo de tela seja limitado a no máximo uma hora por dia, com foco em programas educacionais e interação com os pais.

Aqui estão alguns motivos pelos quais não devemos expor as crianças pequenas a telas em excesso:

Atraso no desenvolvimento da linguagem e socialização

A interação cara a cara com os pais e cuidadores é essencial para o desenvolvimento da linguagem e socialização em crianças pequenas. A exposição excessiva às telas pode prejudicar esse processo, uma vez que as crianças podem perder a oportunidade de se comunicar e se conectar com outras pessoas de maneira significativa.

Problemas de sono

A exposição à luz azul emitida pelas telas pode interferir na produção de melatonina, o hormônio que regula o sono. Como resultado, as crianças podem ter dificuldades para adormecer ou dormir profundamente, o que pode afetar seu humor, comportamento e saúde geral.

Problemas de visão

 A exposição excessiva às telas pode causar fadiga ocular, dor de cabeça e visão turva em crianças pequenas. Além disso, as crianças podem desenvolver hábitos de postura inadequados, como inclinar-se para frente ou sentar muito perto da tela, o que pode levar a problemas de coluna vertebral e dor nas costas.

Aumento do risco de obesidade

Quando as crianças passam muito tempo em frente a telas, é menos provável que elas sejam fisicamente ativas e se envolvam em atividades ao ar livre. Isso pode aumentar o risco de obesidade infantil, que pode levar a problemas de saúde a longo prazo, como diabetes, pressão alta e doenças cardíacas.

Exposição a conteúdo inadequado

As crianças pequenas podem não entender a diferença entre a realidade e a ficção na televisão e nos vídeos. Portanto, elas podem ser expostas a conteúdo inadequado ou violento que pode afetar negativamente seu comportamento e desenvolvimento emocional.

Explicando mais a fundo...

É importante que os pais estejam cientes desses riscos e limitem o tempo que seus filhos passam em frente às telas, oferecendo alternativas mais saudáveis e educativas para seu desenvolvimento.

Um estudo publicado na revista JAMA Pediatrics mostrou que o tempo de exposição à tela pode afetar o desenvolvimento cognitivo em crianças. O estudo acompanhou mais de 437 crianças entre 3 e 5 anos e descobriu que aquelas que passaram mais tempo em frente às telas tiveram um desempenho inferior em testes de linguagem, pensamento e habilidades sociais em comparação com aquelas que passaram menos tempo em frente às telas.

Isso ocorre porque a exposição excessiva às telas pode limitar as oportunidades de as crianças interagirem com outras pessoas e aprenderem a interpretar as emoções e sinais não verbais que são fundamentais para o desenvolvimento da linguagem e habilidades sociais. Além disso, o uso excessivo de telas pode levar a uma falta de concentração e atenção em outras atividades importantes, como brincar ao ar livre, ler livros e praticar esportes.

Outro fator a considerar é a importância do sono para o desenvolvimento infantil. A exposição à luz azul emitida pelas telas pode interferir na produção de melatonina, um hormônio que ajuda a regular o sono. Isso pode levar a dificuldades para adormecer e dormir profundamente, o que pode afetar o humor, o comportamento e a saúde geral das crianças.

Um estudo publicado na revista Pediatrics mostrou que crianças que usam telas antes de dormir têm maior probabilidade de ter um sono ruim e insuficiente. Além disso, o sono insuficiente pode levar a problemas comportamentais, como irritabilidade, ansiedade e hiperatividade, e problemas de saúde, como obesidade e diabetes.

Além disso, a exposição excessiva às telas pode afetar negativamente a saúde visual das crianças. A exposição prolongada à luz azul emitida pelas telas pode levar a fadiga ocular, dores de cabeça e visão turva. Além disso, as crianças podem desenvolver hábitos de postura inadequados, como inclinar-se para frente ou sentar muito perto da tela, o que pode levar a problemas de coluna vertebral e dor nas costas.

A exposição às telas pode aumentar o risco de obesidade infantil. Segundo artigo publicado na Abeso sobre a ligação entre telas e obesidade, quando as crianças passam muito tempo em frente às telas, é menos provável que elas sejam fisicamente ativas e se envolvam em atividades ao ar livre. 

Isso pode levar a um estilo de vida sedentário e à falta de exercício, o que pode aumentar o risco de obesidade infantil. A obesidade infantil, por sua vez, pode levar a problemas de saúde a longo prazo, como diabetes, pressão alta e doenças cardíacas.

Por esses motivos, é importante que os pais e cuidadores restrinjam o tempo de tela das crianças e ofereçam alternativas mais saudáveis e educativas para o desenvolvimento infantil. Isso pode incluir atividades ao ar livre, jogos em família, leitura de livros, jogos educativos e interação social com outras crianças e adultos.

Além disso, os pais devem modelar um comportamento saudável em relação ao uso de tecnologia, limitando seu próprio tempo de tela e demonstrando atividades alternativas para seus filhos.

 É importante estabelecer regras claras sobre o tempo de tela e aderir a elas de forma consistente, criando um ambiente saudável e equilibrado para o desenvolvimento infantil.

A tecnologia em si não é ruim, mas é preciso usá-la com moderação e de forma consciente. A exposição excessiva às telas pode afetar negativamente o desenvolvimento cognitivo, emocional e físico das crianças. 

Os pais devem estar cientes desses riscos e tomar medidas para garantir que seus filhos tenham um estilo de vida saudável e equilibrado, incluindo limitar o tempo de tela e oferecer alternativas mais saudáveis e educativas para o desenvolvimento infantil.

Embora o uso de telas possa ser inevitável em certas situações, é importante que os pais e cuidadores limitam o tempo de tela e priorizem a interação cara a cara com as crianças. Ao fazer isso, eles podem ajudar a garantir que as crianças cresçam saudáveis, felizes e bem ajustadas.